segunda-feira, 18 de maio de 2009

Para mim, uma das mais marcantes passagens de Shantideva é o verso em que ele diz que a pessoa que morre e a pessoa que renasce são outras, não são a mesma. Assim, portanto, o único motivo válido que alguém pode ter para agir é a compaixão. Não há um “você” que continua em uma vida futura. “Você” termina na morte, e alguma outra coisa, algum outro ser, nasce, como um pai que dá a luz a um filho.

3 comentários:

  1. Se o nascer e morrer não é apenas o nascimento e morte do corpo físico, se este morrer e nascer for este próprio instante, então será preciso que haja algo para morrer e algo para nascer, se houver um |eu| haverá sempre a sua morte no momento compassivo. Mas se não houver um |eu| neste instante...

    ResponderExcluir
  2. Sem pai, sem mãe;
    papai e mamãe.

    ResponderExcluir